O couro legítimo requer cuidados especiais para prolongar sua duração. As melhores maneiras de cuidar das suas peças e garantir vida longa:

MATERIAIS – Introdução
O couro é considerado o material mais nobre para a confecção de cinto, carteira, bolsa, maleta, pasta, entre outros.
O couro bovino compõe-se duas partes importantes: a flor e a carnal.
A flor é a parte externa do couro que, antes do uso, é submetida a tratamentos especiais.
A parte carnal é a parte interna, fibrosa. Às vezes recebe tratamento para substituir a flor.
O couro é considerado de boa qualidade quando apresenta fibras consistentes, elasticidade, boa aparência e facilidade de manipulação.
DEFEITOS MAIS COMUNS DO COURO
Nas peles de couro podem ser encontrados vários tipos de defeitos como causados por bernes, carrapatos cortes marcas de fogo veias ou riscos de cerca, apresentando furos, riscos e estrias.  Em peles envernizadas ou prensadas, deve ser feita uma verificação pelo carnal, pois o defeito normalmente não é visível por ser coberto pelo verniz ou pelo deslocamento do material próximo ao furo.
Couros naturais possuem menos defeitos pois não se utiliza grande quantidade de tinta para encobrir os traumas que a pele sofreu. Mas por esta razão são couros que vão mudar de cor e riscam mais fáceis por não ter proteção química.
Para roupas se usa o couro bovino chamado Napa Vestuária, mas os melhores são os couros de ovelha chamado também de pelica.
Já fui perguntado porque existem couros vermelhos se a pessoa nunca viu uma vaca vermelha? A resposta: o que dá a cor na vaca são os pelos e no processo de curtição se retira os pelos e assim o couro fica com uma cor tipo rosa bebê, que é o couro cru.
Algo fantástico dos couros é que cada animal possui na sua flor um desenho diferente feito por Deus o criador de todas as coisas.
Certa vez dei uma entrevista para uma estudante sobre artesanato e sua professora ao final disse: tem uma pergunta mais acho difícil vc saber a resposta e lhe perguntei qual a pergunta: Quem lançou o couro na moda? Lhe respondi de bate pronto; eu sei! Foi Deus, observe o texto de Gênesis “Fez o Senhor Deus vestimenta de peles para Adão e sua mulher e os vestiu” (Gn 3:21). E até hoje o homem tem usado o couro dos animais para se proteger e como forma de se vestir elegantemente usando uma criação divina.

Cuidados com o Couro

GUARDAR
Nunca guarde peças de couro em sacos plásticos e em ambientes fechados com umidades, por ser um material natural é necessário que ele respire. Procure manter as peças separadas, para evitar a transferência de cor de uma para outra.
 LIMPAR
Use um pano pouco úmido e passe sobre a superfície. E sempre faça um teste antes, em um pedaço escondido da peça, para evitar que estrague. No caso de couros claros, a remoção em casa é ainda mais difícil, pois a sujeira tende a impregnar na peça.
É certeiro: peças úmidas vão mofar e manchar. Se molhou, deixe a peça secar à sombra. Use hidratante corporal em um pano limpo para hidratar o couro.
PODE PASSAR?
Pode, mas nunca diretamente no couro. Proteja a peça com um pano fino ou papel manteiga. Antes, faça um teste em algum cantinho da roupa, para não estragar uma parte muito visível. Pode-se passar com ferro pelo avesso, não deixe esquentar muito.